Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

E de repente, já nos 30...



Quarta-feira, 14.11.12

Hoje de manhã...

... senti-me do tamanho de uma ervilha.

 

Quando cheguei ao trabalho estava à porta um piquete de greve e eu senti-me verdadeiramente envergonhada por ir trabalhar.

 

Naquele momento queria ser como uma personagem de um filme que no último minuto faz o que é certo, independentemente das consequências pessoais.

 

Nunca na vida tive vontade de fazer greve mas hoje tinha uma vontade imensa, gigante, de fazer! Mas não fiz porque trabalho numa empresa privada em que ninguém faz greve e porque sou cobarde.

 

Quando estava a entrar uma das senhoras do piquete disse «Bom dia menina, hoje é dia de greve» e eu, com um nó na garganta, respondi um bom dia sumido, e naquele momento fiquei com os olhos a arder, naquele momento fiquei triste por não ser a pessoa que gostava de ser...

 

Autoria e outros dados (tags, etc)

por Sayuri às 19:40


3 comentários

De Me a 15.11.2012 às 11:36

Miga a greve é um direito de todos nós, mas também é um direito teu, meu e de quem entender não fazer greve. Tens direito de ir trabalhar, porque precisas, porque gostas, porque assim o entendes, porque aquele dinheiro te faz falta no final do mês. Não tens porque te envergonhar. Nem tu nem eu. Até porque as greves em Portugal, a meu ver, não têm aquele significado que deveriam ter, nem acho que tenham as consequências que deviam ter. Era mais importante as pessoas mobilizarem-se desta forma quando é para votar, em vez de irem para a praia, e votarem com consciencia, e não sempre nos mesmos, do que se calhar estar a fazer estas greves agora.
A pessoa que és, é muito melhor que a maioria das pessoas que fizeram greve ontem. Porque há muitas pessoas que correm a fazer greve, mas não contribuem nada para o país e a sua evolução.
Beijinhos

De Sayuri a 15.11.2012 às 21:34

O problema miga é que eu QUERIA mesmo fazer greve porque não quero mesmo que as medidas do governo vão para a frente (tlz por me sentir um pouco responsável por eles estarem no poder mas principalmente porque não sei como vou viver com os cortes que eles vão fazer para o ano), queria mesmo que o país parásse todinho, E só não fiz greve por medo das consequências que ia ter no trabalho... e eu sei que sou dura comigo própria mas quando uma pessoa deixa de fazer algo, que quer muito fazer, por medo é cobardia.

Beijinhos miga

De Strategos a 18.11.2012 às 21:35

Assumamos que fazias greve. Que toda a gente no país fazia greve. E que as medidas do governo não se ocorriam. O que acontecia? O que realmente acontece se não cumprirmos o pacto assinado?

O que acontece se não tens dinheiro, pedes 100€ emprestado e o tipo a quem o pedes é esperto e decide dar-te 20 de cada vez, na condição de deixares de ir para os copos todos os fim de semana, e depois de te entregar 60€ te encontra numa discoteca uma certa noite.
Achas que esse tipo te vai dar mais dinheiro?
E se não tiveres dinheiro, como te safas (vulgo como se pagam salários, pensões, subsídios de desemprego, subsídios de maternidade/paternidade, medicamentos)?

Não fiz greve porque não faz qualquer sentido reclamar se alternativas válidas. É o que acontece se perguntares às pessoas que fizeram greve o que querem mudar. Vão dizer-te que não querem os cortes. Porreiro, eu também não. Mas e depois? Sem alternativas, estão a fazer greve para quê?

Comentar post




Pesquisar

Pesquisar no Blog  

calendário

Novembro 2012

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
252627282930